sábado, 31 de maio de 2008


O último feriado prolongado do ano foi de passeio, muita praia descanso e piscina.

Voltando do Cristo Redentor marco da cidade do Rio de Janeiro, passamos por um dos bairros
mais sofisticados do Rio, Barra de Tijuca. Em meio aquele deslumbre: céu azul, corcovado, pedra da Gávea, do vidro do carro avistei duas crianças que vasculhavam o lixo, por alguns segundos esqueci toda aquela beleza natural, tirei a câmera da mochila, e vi naquelas duas meninas a coragem e fome.
Rapidamente me lembrei da poesia do Manuel Bandeira que diz:

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

O Sinal abriu, fui embora. Lamentei... e hoje noite fria de São Paulo, penso na quantidade de crianças que perambulam pelas ruas a procura de comida.
Oremos todos!
Oremos distribuindo sopa,
Oremos agasalhando-os
Oremos abraçando-os
Oremos...

Um comentário:

Éverton Vidal disse...

LIndo o texto do pastor Ricardo Gondin (um dos meus "pastores" de vida) e tocante o poema do Manuel Bandeira. Nossa brother, vou sair com o coraçao cheio de coisas daqui do seu blog hoje.